TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Digital clock - DWR

quinta-feira, 15 de maio de 2014

A humanidade esta caminhando, só não sabemos para onde.

Estou aqui quase louca estudando  e entre uma leitura e outra,  acesso o site da Folha de são Paulo  para ver os acontecimentos do dia, um habito de internauta, estar sempre ligado no resto do mundo, é automático.
Nestes últimos 7 anos aconteceram tantas coisas,  que nos fazem pensar sobre o que esta acontecendo agora no Brasil, estamos passando por um momento de “Ah, deixa prá lá”, Ah, ta tudo certo”, Ah, não dá nada”, e assim estamos perdendo direitos, valores, moral, conceitos e conseqüentemente oportunidades únicas de crescimento, isso não é bom.
Prova disso foi a experiência do jogador Daniel Alves quando sofre o ato de racismo no meio do jogo; 
Lhe atiraram a banana, e  ele sem pestanejar, simplesmente  pegou   e comeu, aquilo gerou uma polemica, 1º SOMOS TODOS MACACOS,  depois  NÃO SOMOS MACACOS , depois RACISMO É CRIME, saiu tantas coisas nas redes sociais,  que ficou até difícil entender, mas eu estava pensando aqui;  
O pais de nascimento do jogador;   é o pais em que nestes últimos anos, vimos políticos discutindo a "Cura gay" ;  escândalos de corrupção uns maiores que outros,  todos os dias nas Tvs e redes sociais, pessoas parindo e morrendo nas portas de hospitais,  todos os dias,   o tempo todo,  políticos mentindo e enganando, presidente da republica usando como plataforma de campanha,  um programa que busca profissionais de outro pais;
A coisa mais organizada no pais do Daniel Alves é o crime sendo administrado por detentos dentro dos presídios, em um sistema carcerário roído, crimes monstruosos como o que acabo de ler, do ex-medico cirurgião Farah Jorge Farah,  condenado por matar e esquartejar sua paciente, a 16 anos de prisão podendo recorrer em liberdade,  jornalistas em telejornais incentivando aos atos de justiça do olho por olho dente por dente, pessoas sendo barbaramente linchadas nas ruas sem julgamento sem direito de defesa, como foi o caso de Fabiane Maria de Jesus,  sem nem provas, mãe de família sendo arrastada em avenida por viatura da policia, como foi o caso de Claudia, esse é o pais onde nasceu aquele jogador que comeu aquela banana que jogaram no campo, um pais cheio de riquezas naturais, cheio de belezas,  que de uns tempos para cá, entrou em uma fase de transição da qual só saberemos o resultado,  daqui uns 10 ou quem sabe 15 anos, ou mais,  mas que indiscutivelmente esta funcionando hoje como uma bomba relógio,  prestes a explodir a qualquer momento.
Quanto a atitude do jogador, sem duvida foi a mais a certada naquele momento, basta se colocar no lugar dele por alguns instantes; 
Jogaram a banana, ele pegou, comeu, continuou os trabalhos para o qual é bem remunerado, fez um bom trabalho e seguiu, como bom representante do Brasil de hoje e  do  povo brasileiro que "aproveitou a oportunidade para comer banana também", e   que aos poucos vem se acostumando cada vez mais com as mentiras e embromações de seus políticos, com a  banalização dos crimes e assim seguindo individualmente com suas vidas.

O crime de racismo sobrou para a saia justa,  que ficou o pais onde ocorria o jogo,  que por razões obvias de pressão internacional geral, acabou tendo que se posicionar e punir o respectivo torcedor criminoso europeu, criado em uma cultura de 1º mundo.
Quantas vezes eu já ouvi termos como: - Em quem vc vai votar nesta eleição? E o individio responder: - Vou votar em fulano, para "ajudar o cara!"
Peraí, para ajudar o cara? Como assim?
Sabe de uma coisa, estou esperando uma pesquisa sobre os custos e possibiliddades de um centro de hemodialise em uma cidade aí, enquanto isso eu vou comer uma banana, Ah, tá tudo certo! Já volto!

Nenhum comentário:

Postar um comentário